sábado, 1 de dezembro de 2012

Romeu e Julieta - Muito mais que uma simples história

A história mais romântica, água com açúcar e dramática sempre será "Romeu e Julieta". Uma peça de teatro escrita por William Shakespeare, cheia de poesia e lamentos do coração, que oferece ao leitor ávido por dramaticidade e métricas um leque de possibilidades.

Nunca fui muito fã de peças de teatro como leitura, mas como Shakespeare é um clássico mundial e "Romeu e Julieta" é um livro essencial para todo o ser que ainda quer se apaixonar loucamente um dia. Leitura rápida, poesia rimada, palavras profundas, batalhas com espada, Julieta dramática, Romeu cego de paixão, Capuleto raivoso, Ama bondosa, e por aí vai. Nada muito diferente do que você vê nos filmes e musicais existentes por aí. Mas com certeza, é muito mais interessante e tocante ver a peça ou o filme, do que apenas ler.
 
O livro acaba se tornando um pouco chatinho, afinal você já sabe a história toda e tanta melancolia pode causar enjôo. Mas essa poesia toda acaba sendo o atrativo principal da história, junto com tantas frases românticas que fariam a maioria se derreter.  Imagine se alguém declamasse para você:

“Meu coração amou antes de agora? Essa visão rejeita tal pensamento, pois nunca tinha eu visto a verdadeira beleza antes dessa noite.”
                                                  ou
“Ah, ela ensina as tochas a brilhar! Parece estar suspensa na face da noite, tal qual jóia rara na orelha de uma etílope; beleza incalculável, cara demais para ser usada, por demais preciosa para uso terreno!” 

Como não se apaixonar e fingir a própria morte só para viver "feliz para sempre" com Romeu? E digo: a culpa de tudo, de todo o azar desse casal foi de Frei Lourenço, que não foi capaz de enviar um bendita carta para o garoto apaixonado. A coitada da Julieta se finge de morta,  Romeu mata-se de desgosto e também ela  acaba suicidando-se ao vê-lo morto. Nada dramático ou forçado.

São várias as adaptações desta obra de Shakespeare no cinema. As mais importantes são: "Romeu e Julieta" de 1936, com a direção de George Cukor; "Romeu e Julieta"em 1968, com a direção de Franco Zeffirelli e, a que eu mais gosto e já vi muitas e muitas vezes, "Romeu + Julieta" de 1996 ,do diretor Baz Luhrmann. Adoro como essa última conta a história de amor nos dias violentos atuais,  com a poesia de Shakespeare e uma ótima trilha sonora.

As composições musicais também não ficam para trás com suas homenagens. Há várias músicas que fazem referência ao casal, entre elas "Romeo And Juliet", da banda "Dire Straits"; "Romeu e Julieta" escrita por "Toquinho e Vinícius de Moraes", outra com o mesmo título de Marcelo Camelo, "Love Story" de Taylor Swift  e muitas outras. 

Referência em todo o mundo "Romeu e Julieta" sempre será lembrada como o romance mas azarado de todos os tempos. Do puro amor de dois jovens a morte aproveitou e resolveu brincar.  Mas mesmo assim, a vontade de achar alguém para amar do mesmo modo que os dois se preserva, a literatura influência a vida real.
  
“Amor é uma fumaça que se eleva com o vapor dos suspiros; purgado, é o fogo que cintila nos olhos dos amantes; frustrado, é o oceano nutrido das lágrimas desses amantes. O que mais é o amor? A mais discreta das loucuras, fel que sufoca, doçura que preserva."



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails